Petição Pública Logotipo
Ver Petição Apoie esta Petição. Assine e divulgue. O seu apoio é muito importante.

TENENTE CORONEL DOS COMANDOS MARCELINO DA MATA SEPULTADO NO PANTEÃO NACIONAL DE PORTUGAL

Para: ASSEMBLEIA DA REPUBLICA DE PORTUGAL

O Panteão Nacional destina-se a homenagear e a perpetuar a memória dos cidadãos portugueses que se distinguiram por serviços prestados ao País, no exercício de altos cargos públicos, altos serviços militares, na expansão da cultura portuguesa, na criação literária, científica e artística ou na defesa dos valores da civilização, em prol da dignificação da pessoa humana e da causa da liberdade. As honras do Panteão podem consistir na deposição, no Panteão Nacional, dos restos mortais dos cidadãos distinguidos ou na afixação, no Panteão Nacional, de lápide alusiva à sua vida e à sua obra, DECRETO LEI 28/2000, de 29 de Novembro de 2000, que DEFINE E REGULA AS HONRAS DO PANTEÃO NACIONAL

As salas tumulares do seu interior acolhem os Presidentes da República Manuel de Arriaga, Teófilo Braga, Sidónio Pais e Óscar Carmona, os escritores Almeida Garrett, Aquilino Ribeiro, Guerra Junqueiro, João de Deus e Sophia de Mello Breyner Andresen, a artista Amália Rodrigues, o futebolista Eusébio da Silva Ferreira e o Marechal Humberto Delgado.

O Panteão Nacional tem como missão homenagear promover e divulgar a Vida e Obra das personalidades nele presentes.

TENENTE CORONEL DOS COMANDOS MARCELINO DA MATA (BIOGRAFIA)

Acidentalmente incorporado em lugar do irmão no CIM-Bolama em 3 de Janeiro de 1960, ofereceu-se como voluntário após cumprir a primeira incorporação.

Integrou e foi fundador da Tropa de Operações Especiais, no Regimento dos Comandos Português, dos Comandos Africanos actuando no cenário de guerra da sua Guiné, com operações no Senegal e na Guiné -cri.

A 2 de Julho de 1969 foi feito Cavaleiro da Antiga e Muito Nobre Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito.[3]

Apesar de várias vezes ferido em combate apenas teve que ser evacuado da Guiné por ter sido alvejado, por acidente, por um companheiro, assistindo ao 25 de Abril de 1974 em Lisboa.

Após a Guerra de Independência da Guiné-Bissau foi proibido de entrar na sua terra natal.

Em 1975 foi detido no quartel do RALIS, Lisboa, e sujeito a tortura e flagelação praticada e ordenada por Manuel Augusto Seixas Quinhones de Magalhães (Capitão), Leal de Almeida (Tenente-Coronel), João Eduardo da Costa Xavier (Capitão-Tenente) e outros elementos do MRPP,[4][5][6] num dos episódios mais pungentes, pela sua barbaridade e violência, no pós Revolução dos Cravos.

No decurso das perseguições de que foi alvo no ano de 1975 conseguiu fugir para Espanha, donde regressou aquando do Golpe de 25 de Novembro de 1975, participando activamente na reconstrução democrática e no restabelecimento da ordem militar interna, agindo sempre com elevada longanimidade para com os seus opressores.

Justificou a sua luta no Exército Português com a frase "A Guiné para os Guinéus", querendo significar que a guerrilha actuava no interesse da União Soviética.

Faleceu no Hospital Professor Doutor Fernando Fonseca, na Serra de Carnaxide, à data de 11 de Fevereiro de 2021, vítima de COVID-19.[7]

Operações notáveis em que participou
Operação Tridente na ilha do Como
Operação Cajado
Resgate de 150 soldados portugueses cativos em território senegalês
Operação Mar Verde
Operação Ametista Real
Condecorações
Cruzguerra 2kl.png Medalha Militar de 2.ª Classe da Cruz de Guerra (26 de Julho de 1966)
Cruzguerra 1kl.png Medalha Militar de 1.ª Classe da Cruz de Guerra (9 de Maio de 1967)
PRT Military Order of the Tower and of the Sword - Knight BAR.png Cavaleiro da Antiga e Muito Nobre Ordem Militar da Torre e Espada, do Valor, Lealdade e Mérito (2 de Julho de 1969)
Cruzguerra 1kl.png Medalha Militar de 1.ª Classe da Cruz de Guerra (21 de Abril de 1971)
Cruzguerra 3kl.png Medalha Militar de 3.ª Classe da Cruz de Guerra (9 de Junho de 1973)
Cruzguerra 1kl.png Medalha Militar de 1.ª Classe da Cruz de Guerra (22 de Agosto de 1973)
Comportamento Exemplar Ouro.png Medalha Militar de Ouro de Comportamento Exemplar
Medalha dos promovidos por feitos distintos em campanha.png Medalha dos Promovidos por Feitos Distintos em Campanha
Medalha dos promovidos por feitos distintos em campanha.png Medalha dos Promovidos por Feitos Distintos em Campanha
Medalha Comemorativa das Campanhas fita.png Medalha Comemorativa da Campanha Guiné 1963-1974










Qual a sua opinião?

A actual petição encontra-se alojada no site Petição Publica que disponibiliza um serviço público gratuito para todos os Portugueses apoiarem as causas em que acreditam e criarem petições online. Caso tenha alguma questão ou sugestão para o autor da Petição poderá fazê-lo através do seguinte link Contactar Autor
Assinaram a petição
11 Pessoas

O seu apoio é muito importante. Apoie esta causa. Assine a Petição.