Petição Pública
Pela suspensão imediata da greve de fome do Enfermeiro Carlos Ramalho

Assinaram a petição 3.018 pessoas
Eu, Enfermeiro português, peço que o Enfermeiro Carlos Ramalho termine a sua greve de fome e que regresse ao seu meio, como líder do SINDEPOR, sendo um indivíduo a quem olho com muito respeito, voltando com saúde e com vida.

Carlos Ramalho, Enfermeiro e presidente do Sindicato Democrático dos Enfermeiros Portugueses (SINDEPOR) é um cidadão português que está em luta pela dignidade da sua profissão e por todos os Enfermeiros portugueses, assim como pelo Serviço Nacional de Saúde.
O parecer da Procuradoria-geral da República sobre a greve cirúrgica, considerando-a ilegal e admitindo que começariam a ser contabilizadas as ausências do serviço, foi a gota de água. Desta forma, Carlos Ramalho após afirmar “Se precisavam de um mártir, ele está aqui.” entra em greve de fome, no dia 20 de fevereiro de 2019.

A sua posição é compreensível e louvável, prova da sua determinação, empenho, coragem e abnegação.

Não aceito este sacrifício por todos os Enfermeiros. Ele não merece sacrificar a sua saúde. Acredito que muitos colegas estão comigo neste pedido.

Sabemos que ele está disposto a dar a vida por causas como a dignidade e a justiça. Também sabemos que a detioração do seu estado de saúde é grave na sequência desta sua greve de fome. É obrigação constitucional, ética e moral do Presidente da República português não permitir que isto aconteça. Nenhum valor pode erguer-se acima da defesa dos direitos e liberdade de um cidadão.

Carlos Ramalho está, desde o meio-dia do dia 20 de fevereiro de 2019 no Jardim Afonso de Albuquerque, em frente ao Palácio de Belém, em Lisboa. Trouxe consigo apenas a sua roupa, com um sobretudo e uma mala de mão.
Assim que a sua decisão foi anunciada, vários enfermeiros têm-se deslocado para estar junto dele e outros decidiram “abandonar” os serviços e ficar à porta das suas instituições de saúde, exprimindo assim o apoio para com este.
Têm também chegado várias formas de apoio e consolo como a doação de tendas, colchões e cobertores.

O Enfermeiro diz “resistir até onde puder, pois a sua capacidade mental está inteiramente ao dispor desta luta”.

Ele está a sacrificar-se de uma forma penosa e os Enfermeiros portugueses não querem este sofrimento.
Solicito e peço veemente que termine esta sua greve de fome.

Obrigado Enfermeiro Carlos Ramalho.
Obrigado Bastonária Ana Rita Cavaco.
Obrigado aos colegas de profissão.


Enf. André Ferreira
Ver Mais...
Facebook WhatsApp
Email    

versão desktop